domingo, 21 de dezembro de 2008

Laço azul.


Eras um laço azul na minha cabeça e planavas no tempo comigo e eu planava no tempo, contigo. Seguíamos juntos, lado a lado. Deste-me asas para voar embora nunca me tenhas ensinado a fazê-lo. Como é claro, tentei fazê-lo por mim: em vez de voar eu, dei asas essas mesmas asas à minha imaginação e criei um bicho-homem muito feio, muito gordo e muito espadaúdo ao qual eu dei o nome de rapunzel-sem-letra-grande. E foram mais de duas mil as vezes que coloquei sobre o seu cabelo comprido, vil e grisalho o nosso laço azul que já era laço, nem fita.
Hoje, somos mais flácidos e precisamos de botões para abrochar os dois pedaços soltos que nos tornámos; precisamos de agulhas e linhas para costurar uns remendo(zito)s que não são mais do que janelas abertas onde passa a corrente de ar no buraco do ozono que nos tornámos; precisamos também de uns quantos alfinetes e, já agora, porque não também umas pregadeiras para nos ornamentar?
Sabes onde está o teu laço azul? Provavelmente, tal como eu, não sabes. Pena.

6 comentários:

Marta Dantas disse...

Estou sempre aqui...
Pronta para te abrçar!!

Sexta feira vou ao peso...

Marta Dantas disse...

abraçar*

Marta Dantas disse...

Olha o Natal vai normal com a familia e com os doces!!!
É uma prova á nossa resistência mas este ano eu nao vou resistir...


Sim o meu número é o mesmo...

Estou cheia de medo da consulta,se o Dr. estiver num dia bom, Viva á delicadeza!!! mas se isso nao acontecer...
Viva ao dramatismo!!!

Mégui disse...

Depois deste e de todos os outros só digo: sentimos juntas.

Qel disse...

«Hoje, somos mais flácidos e precisamos de botões para abrochar os dois pedaços soltos que nos tornámos; precisamos de agulhas e linhas para costurar uns remendo(zito)s (...)».

Pode ser q ainda o encontrem, ao laço azul. Afinal de contas, se "a todos ficasse bem", seria uma "fitinha azul" e não um laço.

Um beijinho (: *

Horrible disse...

amei o texto *-*
está brutaal. :D