terça-feira, 30 de setembro de 2008

Bicho de estimação.


Bicho de estimação, quantos anos já tens? Quantas não foram as vezes que já te agredi e insultei e tu não fizeste caso: permaneces-te ileso e incólume aí na tua e nossa cisterna. E quantas não foram as vezes que já te dei um não como refutação às tuas amiudadas e bizarras provocações?
Sei bem que estás aí: vejo-te todos os dias. Dia sim, dia não, olho-te com olhos de ver. Nos restantes dias, escassamente te espreito por entre as fendas das minhas mãos.
Lembras-te do dia em que nos enxergámos? Não passavas de um mero bichito, um bichano. Começaste por infringir as minhas leis, os meus preceitos. Sentavas-te inúmeras vezes ao meu lado e falseávas, presenteando-me com decadentes e decrépitas palavras que eram música para os meus ouvidos. Acomodaste-te de tal modo que, hoje, já te tornas-te num bicho de estimação. O meu bicho de estimação.
Quando é que a tua estadia vai findar?

4 comentários:

as velas ardem ate ao fim disse...

Não ha nada melhor que um "verdadeiro" animal de estimação.

um bjo

aubergine. disse...

Há sempre alguém, onde quer que seja, que dá corda a esse comboio *

Bons textos (:

Ricardo Pulido Valente disse...

mt bem escrito:)

Marta Dantas disse...

A estadia do meu bicho peludo nunca mais finda, uns dias faz uma pausa outros aumenta a dimensão da minha morfologia.


Adoro-te minha Carolina.
Como correu a consulta com o Dr. Bacalhau?