sábado, 3 de julho de 2010

Manhã de sábado.

Não poderia abandonar o já rotineiro costume dos sábados matinais a ajudar-te nas tarefas domésticas: limpa aqui, arruma aquilo acolá, varre acoli. Confesso que, por muito que me digam que limpar é uma seca, eu até via nas manhãs soalheiras de sábado um certo carisma. Vai a ver-se e no futuro, quiçá, serei uma empregada doméstica profissional. (O que é que têm? Ok! Provavelmente, não é o sonho de ninguém… mas é um trabalho digno. Não?)

Subi as escadas do sótão para as varrer. Lá estavas tu, pendurada na janela a falar (sozinha). Tentei fazer barulho com os chinelos para não te deixar embaraçada e perceberes que eu estava por perto. Silêncio, foi o que restou quando percebeste que estava a metros de distância de ti.

Diria que falavas sozinha antes de me pôr a pensar que, talvez não estivesses propriamente a falar para ninguém. Pus-me a pensar que talvez falasses para alguém que gostava tanto de te ouvir que permanecia calado, embevecido pelas tuas palavras. Ou talvez até te dissesse muita coisa (mas isso, já é outra história).

No meio disto tudo, eu fiquei com alguma da minha ciumeira barata, daquela que se compra na loja dos chineses. Eu só queria que falasses comigo.

Quem seria a pessoa com quem tanto conversavas? Não sei quem era, mas quem quer que fosse, devia ser uma pessoa bem bonita. Assim como tu mamã.

8 comentários:

Qel disse...

a inocência deste testemunho chega a ser de uma doce ternura. gostei. *

J' disse...

Também espero que sim.

J' disse...

Tenho a certeza que A pessoa com quem ela fala é uma pessoa bonita, assim como tu Carolina.

Vicente disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vicente disse...

Ler acho que não. Deus não deu propriamente aos animais (pequena exclusão para os que são da mesma raça que este, que aqui e agora escreve) a faculdade de ler. Mas deu-lhes a capacidade de sentir.

E é tão bom sentir-te.
[]

J' disse...

Todos nós temos A nossa pessoa para conversar. Deixa-a ter a dela.

Poppins disse...

Delicias-me, C. []

MediCirurgEver disse...

parece tão simples saborear cada palavra que escreves..
que brilho intenso é este que a simplicidade tem..... **