segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

verbo-de-encher


Sou mais um no carrossel dos verbos-de-encher, dizias e nem dissimulavas. Sim, concordava e (julgo que) ainda hoje esta minha definição rebuscada apazigua cá neste meu cérebro de cebola.
Fechavas os olhos para me beijar com a palma dos teus lábios espinhosos e quebrantos – que mais pareciam bombas nucleares que queimavam qualquer folha de aço. Eu deixava-os abertos para ver como o mundo girava veloz e alucinantemente: girava sem folgar, quase parecia um carrossel. Vendo bem as coisas, a nossa história quase dava um romance. Pena que eu nunca passámos do ponto zero, nunca conseguimos escrever mais do que o prefácio. É pena.

9 comentários:

Qel disse...

«(...) nunca conseguimos escrever mais do que o prefácio. É pena».
São histórias inacabas com finais indefinidos. Como eu te percebo...
Um beijinho (: *

as velas ardem ate ao fim disse...

Cheira me a solidão.Um cheiro forte, entranhado na pele que por muito que se esfregue com água não desaparece.Está la.Nausea.
Não adiantam os banhos, concluo, então o melhor é pensar numa solução...ou não.(e o cheiro não passa.)Deste cheiro, primeiro estranha-se depois entranha-se, não se passa a gostar apenas a saber viver com ele.
Saber viver...Saber viver tem muito, ou se calhar nada, que se diga.Viver ou será sobreviver??!!Eu sobrevivo.Sobreviver é duro, muito duro.E valerá a pena?Não sei responder.A minha resposta seria tipo tosta mista, sim e não, sem certezas.
Talvez porque certezas tenha poucas ou mesmo nenhumas.As desilusões fizeram me acreditar menos.
Mas aqui estou eu no jogo do empurra da vida.Sim, tenho a sensação que é esse jogo que se joga.Como se estivesse a andar rua fora e consciente ou inconscientemente me empurrassem para não prosseguir o meu caminho e eu própria fizesse o mesmo para chegar ao destino.E o caminho e o destino traduzem se apenas no final de mais um dia. Mas de tanto jogar ou viver, como lhe queiram chamar, o cansaço pesa me e mal consigo andar.E amanha começa outro dia.viver cansa me

um bjo

Maria disse...

Verbo-de-me-encher. {}

Marta Rosa disse...

Nunca é tarde demais para voltar a fazer história.

Jo. disse...

gostei tanto *-*
posso por nos adds? :o


beijinho.

as velas ardem ate ao fim disse...

Para de encher!Respira!

bjo

Mintolita disse...

"Nunca conseguimos escrever mais do que o prefácio."

Sou das tuas. Mas em vez de Prefácio, só tenho Epílogo.

<3

as velas ardem ate ao fim disse...

Bom Domingo!

um bjinho

as velas ardem ate ao fim disse...

Saudades de ti.

bjo